Dá para dizer que a internet está repleta de ideias bastante “diferentes” e, com isso, surgem dietas bizarras que parecem praticamente impossíveis.

Nesse post, você vai conhecer algumas dessas dietas e entender porque milhares de pessoas sofrem tentando algo que está na cara que não vai dar certo.

Vem comigo e descubra que perder peso não significa apenas copiar o cardápio daquele site ou blog.

Vamos lá?

 

- A histeria da Era Vitoriana:

 

Figura 1 Photo by JJ Jordan on Unsplash

Por volta de 1800, na chamada Era Vitoriana, um tipo de histeria coletiva começou a circular.

Vale lembrar que isso tudo aconteceu na metade do século 19 e muito do que é conhecido na medicina nos dias de hoje, não eram considerados como verdadeiros ou nem existiam.

O que se sabe dessa dieta bizarra, é que milhares de pessoas, principalmente mulheres, começaram a passar fome com o objetivo de ficarem mais magras.

Isso tudo não fazia parte da aristocracia ocidental, sendo, inclusive, motivo de raiva para muitas pessoas da classe média.

O ideal de beleza dessa dieta era parecer mais frágil, algo que foi associado como sinônimo de feminilidade e pureza espiritual.

 

- A dieta do vinagre:

Vinte anos depois da histeria da Era Vitoriana, um poeta acabou popularizando uma dieta bastante controversa e bizarra.

Conhecido por ser extremamente magro, devido a anorexia e bulimia que praticava, Lord Bryon garantia que era necessário limpar o organismo.

Para isso, propôs que todos os dias, as pessoas deveriam beber muita água misturada com vinagre, além de uma mistura de chá com ovo cru.

Ao que tudo indica, ele realmente conseguiu perder peso, já que os efeitos dessa dieta eram vômitos e diarreias constantes.

 

- Dieta do cigarro:

Não, você não leu errado.  

Essa, provavelmente, é uma daquelas dietas que você para e pensa: como alguém realmente acreditava e fazia uma coisa dessas?

A resposta é: muita gente.

Por volta de 1925, era comum que as empresas de cigarro utilizassem como propaganda de venda os efeitos provocados pela nicotina para mostrar como fumar “era bom”.

Figura 2 Photo by Abdiel Ibarra on Unsplash

Afinal, fumar acabava funcionando como um comportamento que evitava a compulsão alimentar, principalmente em pessoas ansiosas, e acabava também reduzindo a fome.

Como resultado, a dieta do cigarro surgiu: ao invés de comer e engordar, você deveria fumar e perder peso.

 

- Dieta de Fletcher:

Se você está querendo perder peso de maneira saudável ou mesmo garantir que o seu corpo funcione, esqueça essa dieta bizarra.

A dieta de Fletcher surgiu por volta de 1903, sendo esse um grande negociante de artes que atuava em São Francisco.

Segundo o comerciante, o segredo do resultado de seu emagrecimento era simples: ele mastigava a comida, mas não engolia.

Ficando conhecido como “O grande Mastigador”, Fletcher deu início a essa ideia depois que o seu peso acabou com uma recusa em seu plano de saúde.

A ideia do negociante era que ao mastigar os alimentos, 32 vezes – sendo uma para cada dente, o seu corpo seria capaz de receber os nutrientes necessários, mas nunca a gordura.

 

- Dieta do ar:

Não se sabe ao certo quando essa dieta surgiu, mas, o que se diz por aí, é que tudo começou com uma propaganda da grife Dolce & Gabbana.

Segundo a internet, a propaganda era basicamente: pessoas que estavam sorrindo com uma comida próxima da boca, mas que não tocavam ou comiam.

Logo em seguida, seguindo a lenda, Madonna teria se inspirado nisso para adotar a chamada dieta do ar.

Em suma, a dieta consiste em ingerir apenas água, sopa de água, sal e ar, ou seja, você toma água e água com sal e respira.

Além do mais, você poderia cheirar a comida, mas nunca ingerir.

Perder peso, com certeza, nunca foi tão perigoso, já que o resultado dessa dieta é uma possível desnutrição severa, além de dores, desmaios e outros problemas mais graves.

 

- Dieta da Bela Adormecida:

Figura 3 Photo by Amy Treasure on Unsplash

Famosa por personalidades, como Elvis Presley, seguirem essa dieta, a ideia era passar alguns dias sedado e dormindo, evitando assim de comer.

O plano ficou bastante conhecido na década de 60 e, mesmo que a redução de estômago não fosse uma opção, essa dieta é no mínimo bizarra e nenhum pouco indicada.

 

- Dieta da papinha:

Considerada como uma dieta mais recente, já que surgiu por volta de 2011, a dieta da papinha, além de bizarra, pode ser bastante incômoda.

A ideia foi desenvolvida por uma musa fitness conhecida nos Estados Unidos, a Tracy Anderson.

De maneira simples, a dieta previa o consumo de papinha de bebê no lugar da comida comum por um prazo de 16 dias, já que eram ricas em nutrientes, pobres em gorduras e não pesavam no estômago.

O problema?

Além de não ser o suficiente para um adulto, o resulta dessa dieta para perder peso inclui uma taxa alta de conservantes e você acaba sempre com fome e fraca.

 

- Dieta cru:

A “dieta cru” ou da comida cru, é um exemplo simples de como uma período por ser romantizado e visto de maneira errada.

Essa dieta surgiu por volta dos anos 30 no Irã, mas acabou fazendo sucesso em 2012, quando foi citada em um livro de Christine Bailey.

Ao invés de dizer que pessoas que tem uma maior dificuldade para perder peso deveriam fazer uma redução de estômago ou ter um personal trainer, a dieta prevê o emagrecimento através da ingestão de alimentos crus, todos eles, incluindo as carnes

De uma forma nada científica, a ideia da dieta é baseada no tempo das cavernas, quando ainda não existia o fogo.

Figura 4 Photo by Jez Timms on Unsplash

Enfim, os alimentos crus teriam menos calorias, o que até é verdade, mas o que a dieta não cita são as inúmeras doenças que podem ser contraídas através da ingestão de carnes cruas.

Afinal, não é à toa que a expectativa de vida no tempo das cavernas era tão baixa não é mesmo?

 

Conclusão

Como conclusão, dá para dizer que as pessoas são capazes de qualquer coisa para perder peso e alcançar o resultado da magreza, e não estamos falando sobre redução de estômago.

Essas dietas bizarras mostram que é preciso ter cuidado e muita, muita atenção ao começar um plano alimentar.

 Fonte: Mariana Schneider - Marketing Digital - AesCare