Ontem pela manhã (14/01) estivemos com o Presidente da SC-Gás, Cosme Polese, visitando as obras de implantação do gasoduto no perímetro urbano de Lages, que está sendo tocado desde o final do mês de novembro em Lages. E nos surpreendemos com a rapidez e qualidade dos serviços.

 

Pelo cronograma, serão 12 quilômetros de tubulações na área urbana de Lages e adjacências, locais que num período muito breve já poderão contar com o Gás Natural para substituir o GLP (Gás de Cozinha), combustível muito mais barato e ecologicamente limpo. 

O Gás Natural em questão é comprado da Bolívia. E é muito mais barato do que o GLP.  Chega ao Brasil por gasoduto, pelo litoral. Em SC, graças a um trabalho da SC-Gás, aos poucos está sendo implantado um ramal desse gasoduto até a Serra Catarinense. Por enquanto, o gás pelo gasoduto chega até a cidade de  Rio do Sul. E gradativamente chegará a Pouso Redondo, Otacílio Costa, Correia Pinto e Lages.

Num projeto piloto inédito, a SC-Gás está investindo pelo menos R$ 8 milhões na estruturação de um gasoduto no perímetro urbano de Lages. Ele passará por locais estratégicos (12 Km iniciais de rede), próximo a indústrias e a grandes usuários. Inicialmente, o Gás Natural chegará a Lages transportado por caminhões, de forma comprimida em cilindros, como chega para abastecer os dois postos de GNV existentes em Lages.

No Posto Petrolages (Conta Dinheiro), esse gás que chegará em cilindros será injetado nessa rede de 12 Km. E assim chegará a vários locais da cidade através de dutos que estão sendo implantados.

A instalação é relativamente simples. Uma máquina perfuratriz abre um buraco. E lá uma perfuratriz vai fazendo a escavação na horizontal,  por baixo, sem remoção de terra alguma, por meio de brocas que vão girando (sempre utilizando água no processo). Inicialmente, é aberto um pequeno orifício no solo, a 1,5 metros de profundidade, quase sempre na lateral de uma avenida (Dom Pedro II, Camões, Presidente Vargas em direção à Penha), Jardim Panorâmico até chegar à BR-282, atravessa a BR-282 no bairro Vila Mariza até chegar ao Lages Garden Shopping. Depois do primeiro furo, é colocada uma broca maior para alargar o buraco. E ali são instalados dois diferentes dutos (um preto, de aço galvanizado – e outro de outro material, semelhante ao PVC, mas com espessura bem maior). O duto de cor preta trabalhará com pressão maior (11). E o duto amarelo (ou laranja)  trabalhará com pressão 4 (é neste duto amarelo que serão feitas as ligações para o fornecimento até os consumidores).

O início dos trabalhos foi no triângulo (Av. Dom Pedro II, próximo ao Cemitério Cruz e Souza). Dali seguiu pela Av. Dom Pedro II. E as tubulações já foram colocadas até a altura da concessionária Ford, entre os bairros Coral e São Cristóvão. De acordo com Cosme Polese (que não deverá permanecer na SC-Gás durante o Governo Moisés), pelo menos 45% da implantação da rede de 12 Km já está concluída (há um outro trecho no Jardim Panorâmico também já pronto). E a previsão é que essa etapa dos trabalhos encerre lá pelo final de abril e começo de maio.

Depois começará a ser disponibilizado o Gás Natural aos consumidores, com a ligação até as empresas que já contrataram o fornecimento e de outros interessados. “Levará alguns anos ainda até o gasoduto que vem do litoral chegar a Lages. Então, essa rede estruturante tem a finalidade de começar a criar a cultura do Gás Natural em Lages. Hoje, por exemplo, os postos que fornecem o produto precisam ir pegar de caminhão lá no litoral. E o GNV chega bem mais caro aqui. Quando a SC-Gás começar a fornecer o produto através desta rede, dentro de alguns meses, os postos e outros consumidores receberão o produto diretamente nas bombas, através destes dutos, o que vai baratear muito o produto”, explicou Polese.

Lages é a primeira e única cidade catarinense a receber essa rede de dutos de fornecimento de Gás Natural antes mesmo do gasoduto central chegar à cidade. “Quando assumi a SC-Gás, eu tinha compromisso de trazer o Gás Natural até a Serra Catarinense para deixar nossa região mais competitiva do ponto de vista do custo da energia. O Gasoduto está vindo, aos poucos. E não tem mais volta. Fatalmente chegará a Lages, isso tudo já está programado no planejamento da empresa. Enquanto isso, as nossas indústrias, pequenas, médias e até grandes, já poderão contar com o Gás Natural através desta rede local  que continuará sendo ampliada assim que for sendo criada a demanda”, encerrou Polese.

Texto e fotos: Loreno Siega