O Diabetes provoca a morte de 4,5 milhões de pessoas ao ano em todo o mundo. Um número superior ao registrado em toda a primeira Guerra Mundial, quando morreram 4 milhões de pessoas. No Brasil, os alvos desse mal ocupam 44% dos leitos hospitalares. 

Das vítimas de Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs), 80% são portadoras desse problema que, ao longo dos anos não vem sendo tratado com atenção adequada pelos governantes e também pela população. O Diabetes não é uma doença qualquer e se tornou uma pandemia.

O alerta, mais do que necessário e que precisa ser espalhado pelos quatro quantos do país, foi feito nesta quinta-feira (1º) durante sessão solene na Câmara dos Deputados, presidida pela deputada federal Carmen Zanotto (PPS-SC), que homenageou à Campanha de Conscientização do Mês do Diabetes, conhecida internacionalmente como Novembro Azul. O evento reuniu parlamentares, autoridades nacionais e internacionais sobre o tema, além de portadores da doença e familiares.

Presidente da Frente Parlamentar Mista da Diabetes, Carmen Zanotto lembrou que em um ranking de países com o maior número de portadores de diabetes, organizado pela Federação Internacional de Diabetes (IDF), o Brasil aparece em 4º lugar.

“Estima-se que a doença atinja mais de 16 milhões de brasileiros, o que representa 7% da população. O diabetes já é a quarta causa de morte em nosso país, tendo também aumentado sua incidência de 2010 a 2016, ao registrar um aumento de 12% nestes seis anos e causando a morte de 61.398 pessoas, conforme dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade”, afirmou a deputada.

Diante desse quadro, Carmen disse que as entidades que tratam do tema no país vêm unindo esforços em conjunto com o Ministério da Saúde para reinserir o tema no calendário nacional e consolidar o Novembro Azul como o mês de conscientização sobre prevenção e tratamento da diabetes.

 “No Brasil, a campanha começou em 2007, quando se instalaram iluminações em azul nos pontos turísticos do país e nos eventos propostos pelas associações de diabetes. Contudo, um ano depois, foi criada a campanha pelo câncer de próstata também em novembro, com a mesma cor do diabetes. A temática do câncer de próstata acabou se sobrepondo ao Novembro Azul do diabetes por uma desarticulação das associações e pacientes. Hoje, no entanto, felizmente estamos retomando esse importante trabalho de conscientização”, destacou.

 

Fotos: Robson Gonçalves/PPS - Gabinete Carmen Zanotto