O SEU VOTO É MUITO IMPORTANTE

Tenho conversado com muita gente, idosos, adultos e jovens, que se dizem desiludidos com a política e com os políticos. Alegam que “político é tudo ladrão”, que não adianta trocar “seis por meia dúzia”, que são “todos farinha do mesmo saco” e que não adianta votar.  Os institutos de pesquisa confirmam essa descrença. Há poucas horas das eleições em 1º turno, um número expressivo de eleitores brasileiros ainda  não sabem em quem vão votar. Pior: não sabem se irão votar em alguém no dia 07 de outubro.

Insatisfeito com a classe política eu também estou. Desiludido, decepcionado e inclusive revoltado. Afinal, nós fomos lá nas urnas, votamos e com isso delegamos um imenso poder  para que nos representassem  nas várias esferas de governo (nos Executivos e Legislativos, nas esferas municipais, estaduais e federal). Em termos gerais, boa parte desses políticos fizeram e estão fazendo um péssimo serviço, dando exemplos muito ruins quando roubam, desviam ou fazem negociatas com o dinheiro público para se beneficiar (quase sempre com a participação e safadeza de grandes empresários, diga-se de passagem).

Apesar de tudo isso, não se pode generalizar. Se num saco de maçãs temos algumas delas podres, não podemos generalizar e dizer que todas não prestam. O que se  precisa fazer, através do voto, é tirar essas maçãs podres do saco e colocar lá  outras frutas de boa qualidade, sadias e que nos façam bem. 

Não comparecer às eleições. Ou ir lá e anular o voto. Ou ainda  votar em branco -  não vai ajudar nada a nós  mesmos. E tampouco ao nosso País e Estado. Afinal, alguém entre os tantos postulantes, mesmo que faça poucos votos, será o vencedor do pleito. E irá nos representar lá em Brasília ou em Florianópolis. Teremos  um(uma) novo(a) Presidente da República. Teremos um novo Governador. Teremos dois novos senadores, 16 deputados federais e 40 deputados estaduais eleitos. E esse conjunto de “representantes”, eleitos pela maioria, vai governar a todos nós, inclusive quem não foi votar ou foi lá e anulou seu voto.

Me desculpem o palavrão. Mas quem não comparecer às eleições sem motivo bem justificado. Ou quem “jogar fora” seu voto não apostando no menos ruim (cada qual dá crédito ao seu partido ou candidato, seja ele quem for), é um verdadeiro covarde. Sim, porque depois, se os eleitos fizerem alguma “sujeira”, normalmente esses serão  os primeiros a gritar,  protestar, chiar e reclamar. Assim como quem vende seu voto não tem direito algum de reclamar dos eleitos (porque simplesmente se vendeu), quem não vai votar ou vota nulo  ou em branco também não tem o direito de reclamar depois.

Quer queiramos ou não, felizmente, a democracia ainda é a melhor forma de governo. Nela (democracia), se houverem algumas  maçãs  podres no saco,  podemos a cada quatro anos ir lá e  jogá-las fora com o poder do nosso voto. Numa ditadura, ao contrário. Se a maçã podre estiver no poder (nas várias esferas de governo), temos de ficar bem quietos, não reclamar e aceitar a força do poder e do arbítrio contra todos. Alguns dizem que no tempo dos militares não havia corrupção e desmandos. Havia sim. E muito. Só que eles não deixavam aparecer, a imprensa era censurada, não havia liberdade de manifestação e nem de opinião. E todos tinham de “marchar conforme a música”.

Para finalizar, em quem devemos votar? Eu respondo. Em time de futebol, religião e  política, cada qual tem as suas crenças e escolhas. Podemos até argumentar e manifestar nossas preferências (afinal ainda estamos numa democracia). E enquanto alguns gostam de ficar em cima do muro e esconder seus votos, outros gostam de manifestar-se e até defender e ajudar a eleger os seus candidatos. Apesar disso, jamais devemos e podemos impor ou forçar alguém a aderir aos nossos candidatos.

Acredite. Vote. Tenha esperança. Ajude com seu voto o Brasil a sair desse marasmo e desse fundo de poço. Ajude nosso Estado a ser melhor. E depois, principalmente, cobre com muita força dos políticos em quem  você votou (se chegarem lá). E se esses nossos representantes se mostrarem  uma maçã podre, dê o troco nas próximas eleições.

Loreno Siega - Diretor de Redação - Revista Visão