A Secretaria de Estado da Educação deverá concluir nesta quarta-feira (11/07) um levantamento completo sobre a situação dos Centros de Educação Profissional (Cedups) de todo o Estado. Foi o que disse hoje a secretária Simone Schramm durante reunião com um grupo suprapartidário de deputados.

Com base nesta radiografia, a secretaria deverá definir a frequência das matrículas nos cursos profissionalizantes. Para os Cedups de Lages (Renato Ramos da Silva e Industrial), a situação é tida como resolvida e as matrículas para o módulo 1 serão mantidas para o segundo semestre deste ano.

No encontro, o deputado Gabriel Ribeiro expôs que os estudantes lageanos que trabalham e estudam têm dificuldade de fazer o estágio obrigatório por não conseguirem compatibilizar aula regular, oito horas de trabalho e ainda o estágio. Por isso, acabam fazendo o curso num tempo maior do que o previsto.

Gabriel Ribeiro ainda argumentou que os alunos dos Cedups de Lages concluem o curso e têm alto grau de empregabilidade. “Num período de crise nacional é fundamental mantermos as ofertas nos Cedups”, salientou o parlamentar.

A secretária Simone Schramm fez um rápido histórico de como foi o processo até o anúncio da suspensão das matrículas no segundo semestre, e disse que a decisão havia sido tomada com base em relatos das regionais sobre o alto grau de evasão, e citou exemplos pontuais. Segundo ela, quando a oferta é semestral, o estudante que pensa em desistir de determinado curso sabe que dali a seis meses haverá nova oferta. Por outro lado, argumentou, se a matrícula for anual, o aluno pensará duas vezes.

O COMEÇO: A polêmica em torno dos Cedups se iniciou no dia 22 de junho, quando a Secretaria da Educação expediu ofício comunicando o cancelamento de matrículas do módulo 1 no segundo semestre deste ano e a retomada apenas em 2019, com ofertas anuais. A reação foi imediata.

Em Lages, professores e alunos procuraram o deputado Gabriel Ribeiro, que pediu explicações à Secretaria e, na primeira sessão plenária após o comunicado, teve aprovada uma moção contestando a medida. Parlamentares de vários partidos formaram um grupo para cobrar da SED a revogação da medida, o que ocorreu no dia 26 de julho.

Tarcísio Poglia - Assess. de Imprensa do Deputado Gabriel Ribeiro