A suspensão do serviço de sobreaviso, plantão e emergência (onde não há risco de morte), no Hospital Nossa Senhora dos Prazeres, por parte dos médicos já era previsto desde 2017. No final do referido ano, o Vereador Amarildo Farias (PT), em reunião com o diretor do referido hospital – Fábio Lage, no dia 04/12/17, tomou conhecimento da situação, dos repasses do convênio nº 2016TR000971 de 2016, celebrado entre o Governo do Estado de Santa Catarina, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, com a interveniência da Secretaria Regional de Lages, (hoje ADR) e a Sociedade Mãe da Divina Providência, mantenedora do referido Hospital, para auxiliar no custeio e na manutenção dos seus serviços. 

Este convênio tinha vigência de maio de 2016 a maio de 2017, sendo que no seu encerramento, foi assinado novo convênio com vigência de novembro de 2017 a novembro de 2018, ficando um vazio de cinco meses (junho a outubro) sem cobertura ou contrapartida do Estado no cofinanciamento estadual para a área da saúde. Mesmo assim, o hospital não deixou de prestar todos os serviços normalmente, tendo arcado com os alto custos de atendimento dos serviços de média e alta complexidade (plantão e sobreaviso). Por certo esta situação agravou a saúde financeira do Hospital, que acabou atrasando o pagamento dos médicos que então suspenderam o atendimento desde o dia 19/02/18.

 

Tentando evitar este grande transtorno para a população, o vereador Amarildo, propôs, na câmara, a MOÇÃO LEGISLATIVA Nº 0352/2017, aprovada por unanimidade, cobrando do Governo do Estado à regularização da situação para que o atendimento não fosse comprometido, o que veio a ocorrer por inércia do executivo estadual.

Assessoria de Imprensa do Vereador Amarildo