O furacão do caratê mundial, Douglas Brose, está em Lages e quem quiser ter o privilégio de vê-lo numa luta terá essa oportunidade até esta quarta-feira, 8, durante os 57º Jogos Abertos de Santa Catarina. Com 31 anos, carrega nos ombros a experiência de um gigante. A estrela de 1,60m de altura tem 65 quilos, é voraz em frente ao adversário e disputa o Shiai kumite individual.

Luta por Florianópolis e numa categoria diferente da sua, que é a -60. “Eu estou indo pela Open, uma categoria aberta, uma estratégia que nós utilizamos para fazer pontuação, que é o importante para a cidade.” As finais do Shiai Kumite individual acontecem nesta quarta, a partir das 9h, no ginásio do Sesc.

Os títulos de Douglas afastam qualquer dúvida sobre seu talento e estimulam desde as crianças que iniciaram nos dojôs até os de caminhada mais longa. Brose é campeão dos Jogos Pan-Americanos, número 1 no ranking Mundial de Todos os Tempos, dono de dez títulos Pan-Americanos, campeão brasileiro e sul-americano, além de colecionar conquistas em nível estadual.

Recentemente, Brose foi medalhista de prata do Open da Alemanha, ouro no Open de Budapeste (Hungria), ambas as etapas da Liga Mundial, campeão da Copa São Paulo (Circuito Nacional), campeão da Copa Nordeste em Maceió (AL), vice-campeão na Áustria (etapa da Liga) e campeão do Campeonato Brasileiro em Salvador (BA).

 Foco nas Olimpíadas de Tóquio

Com foco nas Olimpíadas de 2020, em Tóquio, Douglas Brose terá uma longa jornada até lá. Será a estreia da modalidade nos Jogos e antes enfrentará mais de 20 etapas de Liga Mundial. “Quero participar de todas elas. Portanto, não adianta pensar em Tóquio só agora, mas focar em cada fase.”

Em 28 janeiro de 2018, este discreto atleta começa a etapa da Liga Mundial em Paris. São 12 etapas da competição mundial durante o ano. “Passarei uma boa temporada na Europa marcando pontos para ficar bem no ranking mundial.”

O poder de um gênio estrategista

Gaúcho de Cruz Alta, mora em Florianópolis há 26 anos. Começou no caratê há 23 anos e integra o quadro de estrelas dos Jogos Abertos desde os 14. “A cada ano fica mais difícil. Sou bicampeão mundial e estou na Seleção Brasileira há muito tempo, mas cada competição tem sua particularidade, e o Jasc é uma das mais fortes do Brasil. Os Jogos Abertos fazem parte da minha preparação e praticamente encerram minha temporada de competições no ano. O nível aqui está bem grande.”

O atleta, considerado por especialistas como o melhor carateca de todos os tempos, alia a frieza da técnica a outro ingrediente fundamental: atenção. “Se você sabe com quais adversários vai lutar e se puder estudá-los, melhor. A luta pode mudar em menos de um segundo. Tem de estar preparado para reagir a qualquer situação.”

A fiel escudeira

A esposa de Douglas, Lucélia Brose, técnica do Florianópolis, não atua mais como atleta de caratê, mas começou ainda antes do marido na área. Parou há quatro anos e pelo mesmo período foi técnica da Seleção Brasileira. Em 2017 dedica-se às seleções Catarinense e de Florianópolis. “Eu fico muito orgulhosa de todos os resultados do Douglas. Tudo que ele faz acaba vindo para mim também. Eu vi tudo isso nascer e acompanho sua carreira desde o início. O que ele fez nunca tinha sido feito na história do caratê. Ele abriu portas e o caratê do Brasil é super respeitado lá fora”, enfatiza Lucélia.

 

Textos: Daniele Mendes de Melo / Fotos: Antonio Carlos Mafalda