Secretários Municipais de Meio Ambiente e técnicos das prefeituras participaram na manhã desta quinta-feira (23/06), de reunião no auditório da Amures para conhecer as ações que estão sendo realizadas para implementação do Plano Municipal de Preservação da Mata Atlântica de Lages. O evento faz parte da programação do Mês do Meio Ambiente.

As informações foram repassadas por uma equipe da Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí – Apremavi, de Atalanta. Considerado um dos biomas mais ricos em biodiversidade do mundo, a Mata Atlântica é ao mesmo tempo o segundo mais ameaçado de extinção, segundo dados da equipe da Apremavi.

E por ter 70% da população brasileira dividindo espaço com este bioma é que é grande o desafio para se implementar os planos de preservação. O diálogo iniciou com Leandro Casanova que falou sobre o ordenamento territorial da região. Ele discorreu sobre pontos fortes, fracos, aspectos econômicos e sociais, oportunidades e ameaças diante das mudanças climáticas.

Mirian Prochnow falou da importância da implementação do Plano de Preservação da Mata Atlântica, de forma participativa da comunidade e entidades. O plano segundo ela, tem de ser concebido como um instrumento para se pensar o que se quer realmente dos municípios. “Nesse plano pensamos soluções para situação econômica e de meio ambiente”, citou.

A reunião teve apoio de várias entidades como o Consócio Serra Catarinense – Cisama, Polícia Ambiental, Instituto José Paschoal Baggio e outros, cuja proposta foi sensibilizar os municípios da Serra Catarinense para que implementem seus Planos de Preservação da Mata Atlântica. Essas ações dos planos estão alicerçadas no foco de uma perspectiva econômica, social e ambiental.

Oneris Lopes -  Jornalista (DRT - 4347/SC) - AMURES