O contrato com a empresa que executa a obra na avenida Duque de Caxias encerra no dia 20 de abril. Mesmo em fase de conclusão, até lá a revitalização da via precisa estar pronta. Porém, um entrave ainda atrasa o serviço na avenida: três imóveis não querem recuar o espaço necessário para comportar a calçada.

O problema está em três pontos da via. O primeiro é o estacionamento de caminhões da transportadora Transnaza, próximo ao cruzamento com a BR-282; o segundo e terceiro ponto são um ao lado do outro, uma panificadora e uma residência. No estacionamento, a calçada já foi construída em parte, falta apenas meio metro do terreno para completar. O tamanho do passeio público é de 9m²

Já nos outros dois pontos, a panificadora Denegredo não quer abdicar do estacionamento “privativo”, e a residência não quer perder parte do pátio. Os proprietários desde o início da obra estão irredutíveis quanto à disponibilização do espaço, que segundo o secretário de Planejamento, Jorge Raineski, está assegurado a indenização, pelo menos para o estacionamento. Outros dois invadem área pública.

Ação na Justiça

Desde 2013, uma ação corre na Justiça, na Vara da Fazena, entre a Prefeitura de Lages e os responsáveis pelos imóveis, para conseguir o espaço necessário às calçadas. “Não há diálogo”, comenta o secretário de Habitação, Caetano Palma Neto, que acompanhou o andamento da revitalização desde o início.

Ainda de acordo com Raineski, devido ao prazo curto, teme que não haja tempo hábil para finalizar esses trechos. “O que não for feito [até o prazo], não será mais possível”, alerta o secretário de Planejamento. Caso termine o prazo de execução da obra, e a ação seja favorável a prefeitura, os proprietários terão de arcar com a construção das calçadas em seus respectivos pontos.

 

Vinicius Prado - Revisa Visão