Acho sensacional que a implantação do Parque Tecnológico de Lages - Orion Parque - esteja com a construção de seu prédio central em fase final de conclusão. 

Afinal, foram pelo menos 7 anos de lutas do Núcleo de Tecnologia da ACIL - na concepão do projeto, elaboração e busca das parcerias, envio de projetos em busca dos recursos, elaboração dos Estatudos do Instituto Orion (que é quem deverá gerenciar o parque), elaboração do pré-projeto e do desmembramento do terreno (que pertencia à Embrapa e que precisou ser adquirido - com recursos do Governo do Estado e da Prefeitura - R$ 250 mil cada)....

Depois de tudo isso, o Governo do Estado, através da Fapesc, liberou os recursos (R$ 5 milhões - se não estou equivocado isso foi lá em 2011, na ACIL, num grande evento - quem comandava a Fapesc era o lageano Sérgio Gargioni). 

Pasmem que depois disso o dinheiro - R$ 5 milhões - ficou quase 3 anos em uma conta da Prefeitura - Tudo porque a "famigerada" Prosul - que cobrou R$ 750 mil pela elaboração do projeto da obra - fez um trabalho de qualidade sofrível  (apresentou um projeto que custaria bem mais do que os recursos que se tinha). O projeto teve de ser refeito, a duras penas e depois de muitas cobranças dos membros da ACIL (entregue com grande atraso, diga-se de passagem). 

O tempo passou - e a administração do então prefeito Renatinho encerrou, em dezembro de 2012. Pouco antes do término daquele ano, lembro muito bem, o então Secretário de Desenvolvimento de Lages, Carlos Eduardo de Liz, num esforço próprio, conseguiu deixar pronta a terraplanagem (a duras penas). 

A obra começou no ano seguinte (2013), quando Elizeu Mattos já era  prefeito. Devia ter ficado pronta bem antes (houve prorrogação dos prazos, como quase tudo o que envolve o atual Governo do Estado). 

Finalmente agora (2016) a construção está perto de sua conclusão (FELIZMENTE). E, pasmem, que o Governo do Estado está divulgando como se a obra fossse exclusivamente sua. 

Quanta injustiça com a ACIL!!! Com o pessoal do  Núcleo de TI - e os empresários do ramo que o integram? Quanta injustiça com a Prefeitura de Lages (que pagou metade do terreno - pagou pelo projeto mal feito pela Prosul - que providenciou a instalação da rede de água e várias outras providências - como o desmembramento e legalização dos vários terrenos onde serão instaladas as outras empresas). 

Quanta injustiça com Dr. Roberto Amaral (presidente do Instituto Orion) - que fez até Doutorado sobre o assunto - com período vivido na Espanha para entender e aprender como o projeto de fato deve funcionar - e como deve ser a governança de um parque tecnológico!!!

Nas divulgações do Governo do Estado isso tudo é esquecido, relevado, deixado de lado. O que vale é informar que "é obra do Governo de SC e que está quase pronto". E que o projeto de Lages está "extremamente adiantado" com relação aos demais Parques Tecnológicos (13 ou 14 no total - em Santa Catarina). 

Parcerias  - Tríplice Hélice 

Pois bem, se o projeto em Lages está quase concluído (e bem adiantado com relação aos demais  - que em muitos casos ainda estão no papel) - isso tudo deve-se MUITO MAIS À SOCIEDADE CIVIL E ÀS VÁRIAS PARCERIAS que foram criadas e estabelecidas aqui em Lages do que propriamente pelo envolvimento do Governo do Estado. 

Sem os recursos do Governo do Estado - é verdade - e isso jamais poderá ser esquecido ou negado  - talvez a obra ainda não tivesse saído do chão. Mas daí a dizer que o ORION PARQUE EM LAGES É OBRA DO GOVERNO DO ESTADO tem uma grande diferença!!!!

O Orion Parque em Lages vai mudar - aos poucos - a economia da cidade. Mas, se há algum mérito nisso tudo - é pelo menos de três grandes parcerias - a famosa "Tríplice Hélice" (na terminologia utilizada pelo Dr. Roberto Amaral), que compreende: Governos (Municipal, Estadual e Federal), Universidades (CAV, Uniplac e Unifacvest - e outras) e Sociedade Civil (entidades e pessoas). Portanto, o Governo do Estado é apenas um DOS MUITOS PARCEIROS. 

Loreno Siega - Revista Visão