É comum observar pombos nas praças, terminais e prédios de Lages. Para muita gente esses animais são inofensivos e até admirados, por isso fazem questão de alimentá-los. Essa conduta facilita a procriação e aumenta o risco à saúde pública.

Para sobreviver os pombos precisam de água, alimento e abrigo. É por isso que eles ficam próximos da população, porque é ela que fornece esses elementos nas frestas das casas, porões, sótãos ou até mesmo por deixar comida acessível.

Por isso, a dica é afastá-los, eliminando esses fatores de sobrevivência como uma maneira de prevenção de doenças. Além de não oferecer abrigo, alimento e água, vedar espaços e vãos, usar abrigos controlados e colocar o lixo no local adequado também são medidas que podem ajudar bastante. Usar armas de fogo, envenenamento ou capturar os animais são medidas proibidas, já que eles têm importância ambiental assim como outras aves.

Perigos

É preciso tomar cuidado com as fezes dos pombos. Cada animal produz cerca de 2,5 kg de fezes por ano e, nessas fezes, estão fungos, bactérias e ácaros que podem causar, pelo menos, 6 tipos de doenças. Entre as doenças transmitidas por pombos, estão a criptocose, que pode dar meningite; a histoplasmose, que pode dar doenças pulmonares; a salmonelose, que pode dar distúrbios gastrointestinais; além de dermatites e alergias.

Portanto, se você está acostumado a ver algum pombo quando vai à praça e normalmente joga alguma migalha de comida, porque acha que não vai fazer diferença, repense seus atos. Isso pode ocasionar uma infestação de aves em certos locais da cidade, deixando a população mais exposta às doenças. O primeiro passo está nas suas mãos, pense nisso!