A minha escolha política está feita para Presidente, Governador, Senador, deputado federal e deputado estadual (e a maioria de vocês já conhece qual é).  E acredito que as escolhas de vocês, amigos leitores e internautas, à essa altura do campeonato, também já estão tomadas. 

Vivemos numa democracia representativa. Não é possível, infelizmente, que cada um de nós exerça o poder político diretamente nos governos e parlamentos. Então, delegamos a alguns, através do voto, esse poder para que nos representem nessas instâncias de poder.  

Nesta hora, através das redes sociais - e até diretamente -  muitas pessoas manifestam suas posições políticas, o que é legítimo, democrático e saudável. Mas muitos, infelizmente, ao invés de manifestarem suas posições com civilidade, de tentarem nos convencer com o diálogo e com os argumentos, perdem-se no ódio, no ranço, na falta de educação e da ética. Confundem o eleitor com os candidatos. E demonstram todo o seu ódio a quem pensa diferente. 

É hora de serenidade, gente. De tolerância. Não se vai conseguir conquistar o coração e as mentes dos eleitores com mentiras, inverdades, ódio, rancor e  falta de civilidade. 

Acima dos governos, está nossa dignidade. Nossa civilidade. Nossa educação. Nosso respeito. 

Não há governos perfeitos, ideais, infalíveis. As necessidades, infelizmente, são sempre maiores do que as capacidadaes e condições materiais de atendê-las. Até Jesus Cristo, filho de Deus,  não agradou  a todos. Tanto que foi crucificado pelos homens no meio de dois ladrões. 

E, por mais que tenhamos que optar entre uma ou outra preferência ou escolha política, somos nós, e não os eleitos, que têm o poder. Os políticos, em última análise, são nossos funcionários. E assim como os elegemos, podemos tirá-los de lá (pelo impeachment, como já aconteceu) ou pelo voto. 

Exerçamos, pois, nossa cidadania e nosso sagrado direito ao voto. Vamos todos votar no domingo. Fazer nossa livre e soberana escolha. Ninguém tem o direito de nos jogar pedras por isso. De nos "marcar", denegrir nossa imagem, liberdade e moral por essas escolhas (sejam quais forem).  As eleições passam rapidinho. E as pessoas ficam. Pensemos nisso, pois. 

Já vi nas redes sociais, infelizmente, gente que defende a volta da ditadura. Não concordo com isso, embora respeite as opiniões. É muito melhor o sofrimento na democracia do que a falta de liberdade e a possibilidade de termos o direito da escolha e do erro na democracia. 

A propósito: hoje à noite (quinta-feira), a partir das 22h50min.,na Rede Globo de televisão,   teremos o último debate entre os candidatos à Presidência da República. Vamos assistir, acompanhar, ver quem tem as melhores idéias, propostas.... quem inspira maior confiança. 

Um grande abraço a todos. 

Loreno Siega - Diretor de Redação - Revista Visã