Jornal Correio Lageano de hoje traz reportagem sobre a vinda de dois chineses amanhã (14/12) para "conhecer" o terreno comprado pela Prefeitura de Lages (com recursos do Governo do Estado), que custou a "bagatela"  de R$ 7 milhões (ação feita lá no começo deste ano). 

Ou seja, eu recebo um terreno de R$ 7 milhões, passa-se quase um ano e eu nem vou lá ver o que me deram de presente. E depois venho ver se "aprovo" ou não a área. E se os chineses não aprovarem o terreno? Vão indenizar o Estado pela compra? Vamos conseguir reaver o dinheiro de volta do Sr. Osvaldo Parizzotto (Grupo Cepar), que nesta altura dos acontecimentos já deve ter investido muito bem a grana que recebeu pelo terreno?

Outra coisa: como uma empresa pode estar com o projeto da fábrica pronto se nem ao menos veio conhecer o terreno? Por acaso os engenheiros da empresa são "mágicos" em adivinhar o tipo de solo, o local onde vai ficar cada construção, os acessos, essas coisas todas?

Pois eu acho que, mais uma vez, estamos sendo enganados. Não sei se pelos chineses ou por quem deseja tirar proveito político de mais uma promessa. Tomara que eu esteja muito enganado e que a Sinotruk venha, conforme está no jornal, com início da construção em março de 2014 (e a terraplanagem a partir de janeiro). Mas eu quero marcar muito bem essas datas. E cobrar novamente depois. 

Para mim, a Sinotruk não vem mais. E ponto final. O crescimento da economia do país está muito fraco para isso, com previsões modestas para 2014. Infelizmente....E não me venham dizer que sou pessimista. Sou apenas realista. 

Loreno Siega - Revista Visão