A Diretoria da ACIL demonstrou preocupação com relação à demora para a compra do terreno a ser destinado à Sinotruk, cujo proprietário levou o caso à Justiça e vem apresentando uma série de recursos jurídicos, que atrasam os trâmites. A avaliação judicial do terreno solicitada pela Justiça deve estar concluída até esta quinta-feira, dia 01 de novembro. Após isso, a ACIL, juntamente com o Fórum das Entidades Empresarias de Lages, deverá procurar o proprietário para tentar ajudar nas tratativas.

 

A diretoria da ACIL teme que caso o terreno não esteja disponível ainda neste ano para o início da implantação da fábrica em Lages, a empresa possa reavaliar a decisão de se instalar no município, o que seria uma grande perda para a economia da cidade e região. A escolha e trâmites ambientais para a aquisição e licenciamento de uma nova área, a esta altura dos acontecimentos, ficaria praticamente inviável devido à demora (e os chineses têm muita pressa por causa dos compromissos assumidos por ocasião do novo acordo automotivo brasileiro).

 

Loreno Siega - Assessoria de Imprensa da ACIL